Skip to content

Zika Vírus confirmado também em muriçocas

04/03/2016

160304 - mosquito na pele

Fonte: FolhaPE

O Zika Vírus foi confirmado na glândula salivar e no intestino do mosquito culex, popularmente chamado de muriçoca, como adiantou com exclusividade a Folha de Pernambuco no mês de janeiro. As informações da Fiocruz Pernambuco foram apresentadas, nesta quarta-feira (2), durante o Workshop ABCDE do Zika Vírus.

Nos estudos divulgados no encontro, a pesquisadora Constância Ayres, da Fiocruz Pernambuco, disse que, em sete dias de alimentação das muriçocas com sangue infectado pelo Zika, o inseto apresentou o vírus com grande carga viral na glândula salivar.

Embora apresente grande carga, a pesquisadora informou ainda que é preciso de mais estudos de campo para confirmar se o vírus na glândula salivar tem competência vetorial para a transmissão.

Para chegar ao resultado, a pesquisadora explicou que a alimentação se deu em laboratório da seguinte forma: o estudo simulou a pele de uma pessoa e, por baixo, colocou sangue de coelho infectado.

Foram 200 culex fabricados em laboratório testados. O estudo ainda verifica se pode ocorrer a transmissão vertical do Zika do culex fêmea para os ovos. Ou seja, se é a muriçoca doente pode gerar filhotes já com o vírus.

Com a confirmação da presença do vírus pela muriçoca, a gerente de Vigilância de Riscos Ambientais da Secretaria Estadual de Saúde (SES), Rosilene Hans, explicou que adaptações e diversas atividades serão feitas.

Ela informou que o Aedes é um mosquito diurno, enquanto o Culex é noturno. Hans disse também que focos de muriçoca são encontrados em canais de esgoto e que estejam com lixo. Já a dengue procura água parada, que pode ter matéria orgânica.

Brasil
Ainda de acordo com os estudos apresentados nesta quarta (2), o vírus já foi confirmado em 22 estados brasileiros em menos de um ano. Os dados são do Ministério da Saúde, levantados até o dia 5 de fevereiro.

Repercussão
A grande repercussão da matéria, nas redes sociais do FolhaPE, levou a Secretaria Estadual de Saúde (SES) emitir uma nota sobre as pesquisas da Fiocruz Pernambuco. A secretaria reafirmou que apoia e acompanha os estudos da instituição, mas que ainda não há evidência científica para confirmar a transmissão do vírus Zika pelo mosquito culex.

Em nenhum momento, a matéria publicada por nosso portal informou que a muriçoca transmite o Zika vírus e, sim, que o culex carrega o vírus e que será preciso ainda mais estudos para confirmar a transmissão.

NOTA DE PESAR

29/02/2016
A Sociedade Brasileira de Parasitologia manifesta seu pesar e sua solidariedade à família, aos amigos e aos admiradores do argentino Dr. Antonio D’Alessandro que faleceu no dia de ontem (28/02/2016). A Parasitologia Neotropical perde um de seus maiores destaques.

Extracellular Vesicles and non-cellular RNA: roles in health and neglected tropical diseases

26/02/2016

 

160226 - Newton Fund

Fonte: Site do evento

Under the Researcher Links scheme offered within the Newton Fund, the British Council and Confap, we will be holding a workshop on the above theme in São Paulo, SP, from 16th to 20th May 2016. The workshop is being coordinated by Dr. David Carter (Oxford Brookes University) and Dr. Emmanuel Dias-Neto (AC Camargo Cancer Centre).

We are now inviting Early Career Researchers from the UK or Brazil to apply to attend this workshop. All travel and accommodation expenses will be covered by the Newton Fund Researcher Links programme.

To apply, please fill in the online application form Opens in a new tab or window. before the deadline of 26 February 2016.

For more information, please contact dcarter@brookes.ac.uk.

Curso capacitará profissionais para abordagem clínica do zika vírus

26/02/2016

160226 - Una Sus

Fonte:  Portal Brasil

Iniciativa do Ministério da Saúde reforça combate ao Aedes aegypti. Nas primeiras 72 horas de inscrição, o curso recebeu mais de oito mil matrículas

Com 45 horas-aula de duração, o curso tem um capítulo integralmente dedicado aos cuidados voltados às gestantes com infecção pelo vírus e aos recém-nascidos com microcefalia

Para capacitar profissionais de saúde e a população em geral sobre a suspeita, notificação, investigação, diagnóstico do zika vírus, o Ministério da Saúde e a Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS) lançaram o curso “Zika: abordagem clínica na Atenção Básica”. A capacitação é destinada a médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, profissionais de nível superior da Atenção Básica, que terão acesso a informações sobre o zika vírus relacionadas à conduta nos casos e situações tratadas nos protocolos aprovados pelo Ministério da Saúde.

Com 45 horas-aula de duração, o curso tem um capítulo dedicado aos cuidados voltados às gestantes com infecção pelo vírus e aos recém-nascidos com microcefalia. As inscrições no curso devem ser realizadas pelo página da UNA-SUS e seguem até o dia 15 de fevereiro de 2017. Elaborado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz Mato Grosso do Sul), em parceria com as universidades federais de Mato Grosso do Sul (UFMS) e de Pernambuco (UFPE), a secretaria municipal de saúde de Campo Grande e a Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), o curso recebeu, nas primeiras 72 horas de inscrições, mais de oito mil matrículas.

O secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Hêider Pinto, enfatiza a importância de se capacitar recursos humanos para enfrentar esse novo desafio de saúde pública. “Os profissionais de saúde estão na linha de frente na batalha contra a microcefalia e o Aedes. É essencial que eles estejam atualizados e preparados, tanto para orientar as pessoas de um modo geral, quando para cuidar daquelas com zika ou qualquer uma de suas complicações”, explica.

Entre os objetivos do treinamento está a orientação dos profissionais de saúde quanto ao modo de transmissão, período de incubação, vetor e características do zika vírus; orientação quanto aos meios de proteção individual e coletiva; sensibilizar e instrumentalizar o profissional para identificação de quadro clínico sugestivo de infecção e realização do cuidado adequado de pacientes com quadro suspeito; apresentar critérios para indicação e interpretação de exames laboratoriais e por imagens referentes à doença etc.

Aedes  Aegypti

Além desse curso, o Ministério da Saúde oferta outras quatro opções de capacitação voltadas para o combate ao mosquito, bem como para a atenção às doenças transmitidas pelo vetor. Está disponível, desde janeiro, um curso de atualização no combate vetorial ao Aedes aegypti, voltado para agentes comunitários de saúde, agentes de combate às endemias, profissionais de educação, assistência social e defesa civil, militares e multiplicadores em resposta a emergências em saúde pública. Além desses profissionais, também podem participar as pessoas que estiverem interessadas em ampliar os conhecimentos sobre as doenças e sobre como eliminar o mosquito.

Outras duas ações importantes são os cursos para diagnóstico e manejo de dengue e de chikungunya, ofertados de forma permanente pela UNA-SUS a profissionais de saúde de nível superior.

Já o curso de chikungunya foi lançado em dezembro de 2015 – a primeira oferta recebeu 9.494 matrículas, sendo 36% de enfermeiros, 30% de médicos e 16% de técnicos e auxiliares de enfermagem. A segunda unidade aborda casos clínicos, nos quais o profissional é estimulado a refletir sobre a melhor conduta para realizar o manejo de pacientes com suspeita da doença.

Telefone: 0800

Os agentes comunitários de saúde, agentes de combate às endemias e militares também têm um novo canal de informações para o combate ao Aedes aegypti: o telefone 0800 645 3308. O serviço, disponível desde o início de fevereiro, oferece suporte para esclarecimento de dúvidas sobre identificação de focos do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika, além da mobilização da população para o enfrentamento ao vetor. A ação promove a formação permanente dos profissionais envolvidos no combate ao mosquito.

Pelo telefone, os profissionais podem tirar dúvidas sobre procedimentos a serem adotados pela população, como, por exemplo, o uso de telas em portas e janelas, repelentes, inseticidas e roupas que reduzam a exposição de partes do corpo ao mosquito. Além disso, será possível esclarecer sobre como realizar de forma mais prática e rápida as ações para identificação de focos e para combate ao Aedes.

O contato por 0800 já é utilizado por médicos e enfermeiros da Atenção Básica, incluindo os participantes do Programa Mais Médicos. Para esses profissionais, o atendimento é feito pelo 0800 644 6543, por meio do registro de identificação profissional e da unidade básica de saúde que o profissional está vinculado.

FSP oferece bolsa de Pós-Doutorado sobre mosquitos vetores de malária em assentamentos rurais

24/02/2016

160224 - USP

Fonte: USP

O laboratório de Entomologia de Saúde Pública – Sistemática de Culicidae da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP procura por pós-doutorando que seja altamente motivado e cientificamente produtivo para trabalhar no Projeto Temático FAPESP com pesquisa sobre mosquitos vetores de malária em assentamentos rurais da Amazônia brasileira.

Os interessados devem ter doutorado e experiência em sistemática filogenética e áreas correlatas. Excelentes conhecimentos sobre técnicas moleculares empregadas em taxonomia e genética de populações de insetos vetores. Habilidades computacionais e estatísticas serão de enorme importância. O candidato deverá colaborar tanto em disciplinas e trabalhos de campo realizados no Brasil como no treinamento de alunos de graduação e de pós-graduação.

A bolsa é para o período de pelo menos um ano e poderá ser renovada, dependendo do desempenho do candidato, acordo do coordenador do projeto e aprovação da Fapesp. Será dada preferência aos candidatos com alta probabilidade de solicitar e obter financiamentos junto às agências de fomento à pesquisa, por exemplo TDR/WHO entre outras.

A data de início é flexível e a posição permanecerá aberta até que seja selecionado candidato com o perfil necessário. Inicialmente, os candidatos deverão aplicar até 17 de março. Incentiva-se que os interessados façam perguntas e solicitem esclarecimentos sobre o pós-doutorado antes de enviarem os documentos. A posição está aberta para brasileiros e estrangeiros, mesmo aqueles que não tenham conhecimentos da língua portuguesa.

Para mais informações sobre a documentação necessária, clique neste link.

Com informações da Assessoria de Imprensa da FSP

Butantan começa a testar vacina da dengue em humanos

24/02/2016

160224 - Laboratório

Fonte: Rede Brasil Atual

O Instituto Butantan iniciou ontem (23) a terceira fase do teste da vacina contra a dengue. Nesta última etapa, 17 mil voluntários serão imunizados. A estimativa é que o imunizador esteja pronto em 2018.

A vacina da dengue começou a ser desenvolvida pelo instituto há muitos anos e já passou por duas etapas. O terceiro estágio deve durar um ano, e busca combater quatro tipos do vírus da dengue. Após a etapa, a vacina ser submetida à Anvisa para registro.

Dilma e Alckmin anunciam investimentos para combater o zika

Nesta segunda-feira, a presidenta Dilma Rousseff assinou um convênio entre o Ministério da Saúde e o Instituto Butantan, e vai investir R$ 300 milhões no imunizante. “Vai assegurar uma cobertura muito grande para nossa população da dengue, que atinge milhões de pessoas. O Instituto Butantan é capaz de produzir uma vacina que será usada por uma grande parte da população”, afirmou a presidenta.

Além dos 300 milhões destinados à vacina, o governo federal também investirá quase US$ 2 milhões em cinco anos na vacina contra o zika vírus. A pesquisa será feita pelo governo brasileiro e a Universidade do Texas, nos Estados Unidos.

Drones

No Rio de Janeiro, drones serão usados pelos bombeiros para localizar focos do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, do zika e da febre chikungunya. Em entrevista à TVT, o comandante-geral do Corpo de Bombeiros do Rio, Ronaldo de Alcântara, afirmou que os equipamentos darão maior agilidade no combate ao mosquito.

“Ele tem por objetivo fazer um sobrevoo nas ruas que vamos visitar no dia seguinte para identificar possíveis criadouros do mosquito. Então, quando os militares chegarem ao local já saberão os imóveis que estão desabitados ou com possíveis criadouros.”

Dilma ressaltou que o até o momento, é importante que a população elimine dentro de casa os criadouros dos mosquitos Aedes. “A campanha que temos feito é para que as pessoas utilizem 15 minutos a cada semana para realizar uma faxina nas águas paradas.”

IV Encuentro Internacional de Investigación en Enfermedades Infecciosas y Medicina Tropical

18/02/2016

160218 - 4 Encontro do Equador

Fonte: Site do Evento

El Centro de Investigación en Enfermedades Infecciosas y Crónicas (CIEIC) de la Pontificia Universidad Católica del Ecuador (PUCE) le invita a participar en el “IV Encuentro Internacional de Investigación en Enfermedades Infecciosas y Medicina Tropical”, que se desarrollarán del 13 al 15 de Junio del 2016, en la Pontificia Universidad Católica del Ecuador (PUCE), en Quito.

Por el momento este evento cuenta con el apoyo institucional y de investigadores de la Pontificia Universidad Católica del Ecuador, Universidad de Ohio (OU), Institut de Recherche pour le Développement (IRD-Francia), Comité Nacional de Investigadores en Enfermedades Infecciosas y Tropicales (CONIEIT) y Academia de Ciencias del Ecuador (ACE).

El objetivo de este congreso es reunir a la comunidad científica para impulsar y generar la oportunidad de crear redes colaborativas entre las distintas instituciones que trabajan en investigación de enfermedades infecciosas. Además, este evento busca crear un espacio que permita exponer los trabajos que se están realizando en las distintas áreas y contar con la presencia de expertos nacionales y extranjeros para que se logre un fortalecimiento de las capacidades investigativas en Ecuador y América Latina.

En este contexto, el evento contará con charlas magistrales y simposios de expertos nacionales e internacionales, sesiones de pósters y trabajos libres y cursos pre y post-congreso. Las presentaciones en un idioma diferente al español contarán con traducción simultánea.

El costo de inscripción es 80 dólares americanos para estudiantes y 120 dólares americanos para profesionales.  Para registrarse en el evento haga click en Registro.

Esperamos contar con la presencia de participantes de su institución, que sin duda realizarán un valioso aporte al crecimiento y fortalecimiento de la comunidad científica del país y América Latina.

Si tiene alguna duda al respecto, por favor, no dude en comunicarse con la Dra. Ana Lucía Moncayo o la Mtr. Andrea Rodríguez Guerra (cieic@puce.edu.ec), o a los teléfonos + (593) 2 299 1700 Ext. 1856.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 66 outros seguidores