Skip to content

Ruth Nussenzweig, precursora no estudo da vacina contra a malária, morre aos 89

04/04/2018

A pesquisadora Ruth Nussenzweig, da Universidade de Nova York, que morreu aos 89 anos

Folha de São Paulo

Nascida na Áustria, veio para o Brasil aos 11 anos e, atualmente, era pesquisadora nos EUA

Novas vacinas contra a malária, com potencial para salvar dezenas de milhares de vidas por ano, devem muito da fase inicial de seu desenvolvimento a uma ex-refugiada de origem austríaca, que cresceu em São Paulo e passou a maior parte de sua carreira científica nos EUA, sem nunca cortar seus laços com o Brasil. Essa pesquisadora, a médica Ruth Sonntag Nussenzweig, morreu na noite deste domingo (1), aos 89 anos, de  embolia pulmonar.

De origem judia, filha dos médicos Eugenia e Baruch Sonntag, Ruth nasceu em Viena e veio para a capital paulista em 1939, aos 11 anos. A família deixara a Áustria por causa da crescente perseguição aos judeus promovida pelo regime nazista (a Alemanha de Hitler havia anexado o território austríaco pouco tempo antes).

Foi durante o curso de medicina na USP que ela iniciou um namoro tanto científico quanto sentimental com o futuro marido, Victor Nussenzweig, outro jovem judeu, de família polonesa. Na época militante comunista, atraído por ideais revolucionários, Nussenzweig contaria mais tarde que foi convencido por Ruth a tentar mudar o mundo pela ciência, e não pela política.

Em um de seus primeiros trabalhos conjuntos, os dois desenvolveram um método inovador e menos “medieval”, como diziam eles, para identificar a presença do parasita do mal de Chagas no sangue de possíveis doentes. Antes das inovações introduzidas por eles, um barbeiro, inseto transmissor da doença, era induzido a picar diretamente a pessoa e depois examinado; o casal achou uma maneira de oferecer apenas a amostra de sangue ao bicho, sem o contato com o paciente.

Após temporadas de pesquisa de campo no Nordeste, uma tentativa frustrada de ida aos EUA (um diplomata americano, sabendo das inclinações esquerdistas de Victor, chegou a mandar que ele pedisse emprego a Stálin) e um pós-doutorado na França, Ruth e Victor
finalmente conseguiram uma bolsa para trabalhar numa instituição americana, a NYU (Universidade de Nova York), que lhes parecia oferecer melhores oportunidades de pesquisa.

Depois de dois anos por lá, porém, já queriam voltar a São Paulo. Mas o retorno se deu quando o golpe militar de 1964 tinha acabado de acontecer, e um coronel instalado na faculdade de medicina quis ter uma longa conversa com Victor assim que ele apareceu por lá.

Voltaram logo depois, portanto, para a NYU, onde se tornaram professores em caráter permanente.

Foi já nessa época, em 1967, que Ruth publicou o trabalho que mais marcaria sua carreira. Ela demonstrou que era possível produzir imunidade contra o parasita da malária depois de banhar o micróbio numa dose de radiação ultravioleta e inoculá-lo em camundongos.

Essa prova de princípio muito simples revelou que uma vacina contra a doença não seria um alvo totalmente inviável. A continuidade do trabalho da pesquisadora mostrou qual era a proteína envolvida no processo de imunização e a região exata da molécula essencial para esse processo.

Esses dados seriam importantes para o desenvolvimento da vacina RTS,S (ou Mosquirix), que está em fase inicial de testes em países africanos, os mais afetados pela doença. O nível de proteção não é alto, em torno de 40%, mas ainda assim deve ser o suficiente para alvar vidas. “Vai funcionar, inclusive em crianças”, disse Ruth à Folha em 2017.

DESCENDÊNCIA CIENTÍFICA
Com dificuldades de mobilidade por causa de uma queda há alguns anos, a pesquisadora precisou parar de orientar alunos e não pôde realizar o desejo de voltar para o Brasil em definitivo.

Costumava dizer que a única vantagem dos EUA era a facilidade para fazer pesquisa, mas declarou certa vez à revista “Pesquisa Fapesp” que nunca se acostumara ao país e que praticamente todos os seus amigos ainda viviam no Brasil. Boa parte de seus familiares também seguiu a carreira acadêmica.

O filho Michel é professor da Universidade Rockefeller e membro da Academia de Ciências americana; a filha, Sonia, antropóloga da Escola de Sociologia e Política de São Paulo; e o outro filho, André, atua nos NIH (Institutos Nacionais de Saúde dos EUA).

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: