Skip to content

Zika age como HIV e ‘derruba’ sistema imune de gestantes, diz estudo

23/08/2017

Imagem de autores do estudo mostra interação do vírus zika com glóbulos brancos (Foto: Suan-Sin Foo, Weiqiang Chen e Jae Jung)

Fonte: G1

Vírus ‘engana’ células do sistema imunológico, o que diminui capacidade de mulheres grávidas de lutarem contra a infecção.

O vírus zika ‘derruba’ o sistema imunológico de mulheres grávidas e, com isso, atravessa a placenta, chega até o feto e provoca as nefastas anomalias registradas em recém-nascidos.

Para chegar a essa conclusão, estudo na Universidade da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, testou cepas africanas e asiáticas do vírus zika em amostras de sangue de homens saudáveis, mulheres não grávidas e gestantes entre 18 e 39 anos.

Após testes, eles observaram que a cepa africana diminuiu a imunidade em 10%, enquanto a cepa asiática foi ainda mais agressiva e suprimiu em 40% o sistema imunológico de gestantes.

Segundo autores, a pesquisa é a primeira a relatar que o vírus visa células de defesa específicas, prejudicando o sistema imunológico de mulheres grávidas de forma parecida com ação do vírus HIV.

A pesquisa, publicada na última edição da “Nature Microbiology”, foi feita por Suan-Sin Foo, Jae Jung e colegas da Universidade da Carolina do Sul.

Vírus zika engana sistema imunológico

Na análise, pesquisadores observaram que a cepa asiática do vírus zika “ilude” o sistema imunológico. Quando a célula de defesa chega para lutar contra o vírus, o zika as transforma em “macrófagos M2” — tipo de célula que avisa todo o sistema imune que a ameaça acabou.

Cientistas explicam que normalmente mulheres grávidas já produzem macrófagos M2 – uma vez que o sistema imune entende o feto como uma ameaça.

Assim, elas normalmente já são mais vulneráveis a infecções e, com a chegada do zika, a situação fica pior. Nelas, o que o vírus zika faz é aumentar a produção de macrófagos M2, desativando ainda mais o sistema imunológico.

Cientistas observaram ainda que o sistema imune fica ainda mais suprimido no primeiro e segundo trimestres da gravidez, informação consistente com achados anteriores.

 

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: