Skip to content

Fiocruz identifica vírus zika em dois casos de microcefalia

18/11/2015

150928 - Fiocruz

Fonte: Agência Fiocruz de Notícias (AFN)

O Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), por meio do Laboratório de Flavivírus, concluiu diagnósticos laboratoriais que constataram a presença do genoma do vírus zika em amostras relativas a duas gestantes do estado da Paraíba, cujos fetos foram confirmados com microcefalia através de exames de ultrassonografia, conforme publicado pelo Ministério da Saúde nesta terça-feira (17/11).

O material genético (RNA) do vírus foi detectado em amostras de líquido amniótico, com o uso das técnicas de RT-PCR convencional e RT-PCR em tempo real. Os resultados obtidos foram reconfirmados através da técnica de sequenciamento parcial do genoma viral detectado nas amostras. Foi identificado o genótipo asiático – são conhecidos dois genótipos do vírus zika, os genótipos asiático e africano. Os resultados foram comunicados ao Ministério da Saúde. Apesar de ser um achado científico importante para o entendimento da infecção por vírus zika em humanos, os dados atuais não permitem correlacionar diretamente, de forma causal, a infecção pelo virus zika com a microcefalia. Tal entendimento se dará por estudos coordenados pelo Ministério da Saúde e outras instituições de saúde que investigam as causas de microcefalia no país.

A descoberta da presença do vírus não é suficiente para estabelecer uma relação causal entre o vírus zika e os casos de microcefalia nestas gestantes, porém traz dados novos que são relevantes para o esforço de esclarecimento dos casos. Tendo em vista o aumento na notificação de casos de microcefalia, o Ministério da Saúde decretou Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional, no dia 11 de novembro.

Historicamente, o IOC atua na resposta a temas relevantes em saúde pública por meio da geração de dados científicos sobre desafios emergentes. Exemplo desta atuação pautada nas questões de saúde do país, o próprio Laboratório de Flavivírus foi um criado a partir da ação pioneira do Instituto no estudo da dengue, ainda nos anos 1980.

No comments yet

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: