Pular para o conteúdo

Dengue deixa mais de 200 cidades brasileiras em estado de alerta

13/01/2012

Fonte: G1 – 12/01/2012

Segundo informações do Ministério da Saúde, no Brasil, mais de 200 cidades estão em estado de alerta por causa da dengue. O país pode enfrentar um novo surto neste verão.

Eles são pretos, do tamanho de um grão de areia (só dá pra ver pelo microscópio). Basta chover um pouco e, em 30 minutos de contato com a água, as larvas saem dos ovos. De cinco a sete dias depois, as larvas viram pulpas e, em mais dois dias, a pulpa se torna um mosquito adulto.

Para interromper esse ciclo que, com as temperaturas elevadas pode cair para apenas uma semana, todos precisam se comprometer. Reservar dez minutos por semana para vistoriar e eliminar os locais onde a fêmea do aedes aegipty bota seus ovos é primordial.

Não basta tirar somente a água, é preciso esfregar bem os recipientes pra que todo esse processo não aconteça. “Essa fêmea está totalmente adaptada, vive no meio da gente, vive nas nossas casas, nos criadouros que a gente oferece para ela”, afirma o entomologista José Bento Pereira,.

O número de casos de dengue no Brasil em 2011 caiu em relação a 2010, mas ainda é alto. Em 2011, foram registrados 751.130 casos e, em 2010, 1.001.713 casos. Até o dia 17 de dezembro, mais de 470 pessoas morreram por causa da doença.

A fisioterapeuta Nelzi de Oliveira, seu marido e filho já tiveram dengue. Mais do que nunca, a família está super atenta. No banheiro, por exemplo, eles vedaram os ralos. “Eu lacrei com papel filme, bem lacrado, e uma vez por mês eu troco esse papel”, diz Nelzi.

“Se a pessoa não consegue ou não está com tempo para lavar o banheiro toda semana, é sim uma boa medida cobrir o ralo com plástico ou com uma tela”, alerta o entomologista, Ademir Martins.

Outra medida de Nelzi é nunca se descuidar da bandeja da geladeira. “Muita gente não sabe que tem essa bandeja na geladeira, mas o aedes aegypti sabe. E ela vai lá porque está escurinho e é quentinho. O ideal é sempre passar uma escovinha, porque os ovos ficam grudados e, como é plástico, ficam bem aderidos ali”, explica Ademir.

No quintal da família, também não há nenhum criadouro. “Se cada um de nós fizer a nossa parte, vai evitar muito. Não adianta só eu fazer, tem que meus vizinhos, a comunidade, o Brasil inteiro fazer”, conclui Nelzi.

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: