Pular para o conteúdo

Fiocruz reforça nota técnica do Ministério da Saúde

14/12/2011

Fonte: Agência Fiocruz de Notícias – 12/12/2011

Conforme noticiado na imprensa, 80 mil frascos de inseticida foram distribuídos para a população de Foz do Iguaçu (PR) para combater o mosquito transmissor da dengue em domicílios. O Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) não recomenda esta medida, reforçando a Nota Técnica nº 216/2011 divulgada pelo Ministério da Saúde. “O uso de inseticida é uma estratégia complementar que sob hipótese alguma pode ser tratada como a medida mais efetiva. Isso causa falsa sensação de segurança na população e o pior, provoca a disseminação de mosquitos resistentes aos inseticidas disponíveis”, esclarece Denise Valle, pesquisadora do Laboratório de Fisiologia e Controle de Artrópodes Vetores do IOC. “O controle efetivo é o controle mecânico, através da eliminação dos criadouros não deixando água parada. Esta sim é uma medida que mata indiscriminadamente os resistentes e os susceptíveis a inseticidas. O spray fica por poucos minutos no ar e só efetivo no contato direto com o mosquito, desde que não seja de uma linhagem resistente”, sublinha.

Além disso, Denise informa que a população de mosquitos se recompõe muito rapidamente no ambiente, por isso a ênfase no controle das formas imaturas (ovos, larvas e pupas) do vetor, mediante a remoção mecânica dos criadouros. Além disso, as populações de mosquitos são variadas no país, cada uma apresentando níveis de resistência diferenciados.

Resistência

Existem poucos produtos disponíveis para controle do vetor. Por isso, devem ser usados com cautela, já que a resistência entre as populações de mosquitos coloca um desafio. Segundo o Ministério da Saúde, a aplicação desses produtos [inseticidas do tipo aerossol pertencentes em geral ao grupo piretróides] só deve ser feita pelas equipes de vigilância das secretarias estaduais e municipais de Saúde treinadas para o manuseio seguro destes produtos. “Apenas orientamos o uso de inseticidas quando há comprovação da transmissão de dengue, evidenciada por critérios epidemiológicos”, observa o Secretário de Vigilância em Saúde (SVS), do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa. Na nota técnica, a SVS alerta que “a utilização inadequada e indiscriminada destes produtos poderá causar graves consequências no meio ambiente e interferir na eficácia dos programas de controle da dengue, tornando o mosquito ainda mais resistente ao inseticida.”

Vetor

O Aedes aegypti é um mosquito doméstico com hábitos oportunistas, ele vive dentro ou ao redor de domicílios ou de outros locais frequentados por pessoas, como estabelecimentos comerciais, escolas ou igrejas, por exemplo. Tem hábitos preferencialmente diurnos e alimenta-se de sangue humano, sobretudo ao amanhecer e ao entardecer. Mas ele também pode picar à noite, pois não deixa a oportunidade passar. Por ser um mosquito que vive perto do homem, sua presença é mais comum em áreas urbanas e a infestação é mais intensa em regiões com alta densidade populacional – principalmente, em espaços urbanos com ocupação desordenada, onde as fêmeas têm mais oportunidades para alimentação e dispõem de mais criadouros para desovar.

A infestação do mosquito é sempre mais intensa no verão, em função da elevação da temperatura e da intensificação de chuvas – fatores que propiciam a eclosão de ovos do mosquito. Para evitar esta situação, é preciso adotar medidas permanentes para o controle do vetor, durante todo o ano, a partir de ações preventivas de eliminação de focos do vetor. Como o mosquito tem hábitos domésticos, essa ação depende sobretudo do empenho da população.

10 Minutos Contra Dengue

O conceito 10 Minutos Contra Dengue foi elaborado por pesquisadores e profissionais de comunicação do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) a partir do conhecimento científico sobre o Aedes aegypti. Após a prospecção de parceiros para implementação da campanha, uma parceria foi firmada com a Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro (SES), que anunciou oficialmente a iniciativa como tema da nova campanha de combate à dengue no Estado em setembro.

A campanha consiste em orientar a população para investir 10 minutos por semana para checar e eliminar os principais criadouros do A. aegypti dentro de suas residências. Devido à biologia do vetor, uma checagem semanal é o suficiente porque, do ovo ao mosquito adulto, o ciclo de desenvolvimento do A. aegypti leva de 7 a 10 dias. Por isso, agindo uma vez por semana é possível interromper o ciclo de vida do A. aegypti e evitar o nascimento de novos mosquitos adultos. A inspiração veio da estratégia de controle do Aedes adotada em Cingapura, nos anos de 2004 e 2005.

“A proposta é investir dez minutos por semana para remover criadouros no ambiente doméstico e peri-doméstico, de modo a interferir no ciclo de desenvolvimento do vetor, impedindo que ovos, larvas e pupas do mosquito cheguem à fase adulta”, enfatiza Denise Valle. “Temos que ficar atentos ao acúmulo de água em calhas, ralos, bandejas de geladeira e ar condicionado, entre outros locais como vasos de plantas, garrafas pet viradas com a boca para cima, pneus, e vedar adequadamente caixas d’água, por exemplo”, diz. Denise completa: “Dengue é um problema que desafia a todos, porque já não é apenas um problema de saúde pública, mas também de educação, de comunicação e de mobilização. As ações para combatê-la não podem ser delegadas apenas aos governos. Se cada um fizer sua parte, temos mais chance de alcançar o sucesso na luta contra a doença.”

Para orientar a ação de ’10 Minutos Contra Dengue’, os especialistas do IOC elaboraram um guia com os 13 criadouros estratégicos no ambiente doméstico, orientações sobre medidas de prevenção e uma tabela que poderá orientar a checagem semanal. Baixe aqui o guia para utilizar em sua residência e afaste o perigo.

3 Comentários leave one →
  1. cabaça de lata permalink
    17/12/2011 17:40

    A matéria que divulgaram dizendo que foz tem uma diminuição de 70% de casos de dengue ,é inoportuna ,e desprovida de informação,e de falta respeito com a população dessa cidade ,postura essa que a grande maioria da imprensa desta cidade tem .
    A contagem deve ser feira semestralmente ou anualmente ,pelo motivo que dentro de 15 dias ,em relação ano ano ,muitos fatores alteram ,um deles é o vírus corrente que esta em circulação ,e claro o fator climático ,que se altera ano a ano ,chuva ,sol ,calor ,ventos ,sendo assim impossível em 15 dias ,se fazer uma pesquisa assim .Pesquisa politiqueira ,promocional ,o ministério da saúde divulga nota oficial,dizendo que o prefeito e o seu grupo estão entregado produtos prejudicais a população ,como a armadilha e esse veneno ,e ainda a imprensa ,não insisti em informar a verdade a população desta cidade .Vamos esperar a divulgação anual ,esclarecendo que o ministério da saúde ,considera que a cada 100 mil habitantes ,90 casos de dengue é uma epidemia ,então 280 casos de dengue é uma epidemia , epidemia é coisa de pais da africa do terceiro mundo ,algo que esse pais quer passar ,e ser um pais de primeiro mundo ,temos recursos ,uma copa ,e uma olimpíadas ,o prefeito de Foz e os seus assessores tem que intender ,que Foz do Iguaçu ,não fica na Africa ,e sim no Brasil , o pais do futuro ,um dos poucos países que crescem no mundo ,porem lamentamos que politica aqui na cidade ,ainda seja para sustentar monarquias veladas ,e se beneficiar
    mas acreditamos no pais ,e cremos que com o crescimento vem a inteligencia ,vai chegar a hora em que a população vai varre , políticos e servidores públicos ,que pensam assim que o Brasil ainda é o pais das calças beje ,o pais do jeitinho brasileiro .
    Claro que esperamos uma diminuição nos casos de dengue afinal 12 mil casos de novo ,aí a cidade de foz fazer a tipica cidade de quinto mundo

  2. cabaça de lata permalink
    17/12/2011 17:45

    ´´Somos agentes de endemias do CCZ de foz ,e não queremos nos identificar por que estamos sendo perseguidos de todas formas. Os agentes de endemias da cidade de Foz do Iguaçu vem a algum tempo denunciando o descaso das autoridades do município com os casos de dengue na cidade que em 2010 foram 12 mil ,em uma cidade com 280 mil habitantes ,e sabemos por aí que o município vem divulgado indicies de infestação fraudado ,dizendo que o município não terá mais epidemia de dengue ,porem os índices de Lira ,são feito de formas totalmente contraria as recomendações do Ministério da saúde ,que diz que o levantamento deve ser feito no máximo em 2 semanas ,o que não acontece ,por vários motivos .
    Foz do iguaçu hoje só tem 90 agentes ,sendo que desses apenas 35 estão em campo ,e 15 em operação com inseticidas ,o ambiente de trabalho é dado a politicagem entre alguns servidores do CCZ ,e políticos desta cidade ,muitos agentes estão apadrinhados ,e estão em desvio de função ,alguns sem nunca ter ido a campo ,e outros nomeados em cargos públicos ,acumulando cargos com decretos ilegais ,conseguidos através de manobras politicas ,um dos diretores chegou a se licenciar para fazer campanha para o prefeito e um vereador ,que foram eleitos ,pois agora o mesmo já declarou publicamente que o CCZ ,é o seu reino conquistado ,o mesmo tem vários processos na justiça por assedio moral ,e o município não faz nada ,ele mantem apenas 50 funcionários ,na prevenção ,e esta obrigando os servidores a instalar uma armadilha ,com índices de fuga de mosquitos fêmeas gravidas ,algo que ajuda ainda mais a disseminação do vírus na cidade ,o ministério da saúde não recomenta nenhum tipo de pesquisa de captura de adultos em cidades infestadas de dengue como é o caso de Foz ,uma fez que eles usam a logica que se capturando um mosquito ,não se conhece os restantes que ficam no ambiente ,sendo assim impossível fazer um índice confiável .Os agentes de foz eram 200 em 2007 ,e hoje são apenes 90 ,muitos pediram demição ,por vários assédios cometidos ,e injustiças no ambiente de trabalho e dos 35 que hoje estão em campo ,desses mais de 20 estão respondendo processos administrativos ,que foram forjado ,no intuito de calar ,os agentes que não concordam com atitudes que expõe a população .Os agentes não tem investimento algum por parte do município ,não tem uniforme ,botas ,epi ,alguns agentes trabalharam o ano todo em operações com inseticidas com mascaras com filtros vencidos ,não entendemos ,o pais esta crescendo e enriquecendo ,os recursos aumentam ,porem o serviço a população regride ,os recurso da dengue ,estão sendo usados para sustentar uma maquina politiqueira que só que se beneficiar ,acabaram as contratações ,e os investimento .Onde esta o dinheiro publico para acabar com a dengue?

  3. cabaça de lata permalink
    17/12/2011 17:46

    Essa resposta da prefeitura ,postada nesse blog sobre o inseticida ,mostra quem é o prefeito e o seus assessores do combate a dengue em foz.
    O ministério da saúde é um órgão de competência governamental ,criado pelo povo ,para o povo ,conforme a constituição federal, e com profissionais capacitados ,a empresa que fez esse relatório é uma empresa estrangeira privada ,com fins lucrativos ,e não tem capacidade técnica e nem legal para questionar o ministério.
    Esse é o nosso prefeito ,faz de tudo pra esconder seus erros.Fica aqui um esclarecimento ,o nosso prefeito age como o seu grupo ,como se fossem donos da cidade ,e nem se quer tem o trabalho de respeitar as instituições desse pais ,Fica aqui uma pergunta as autoridades Juizes ,promotores ,vereadores e a imprensa ,esta agora o prefeito acima da constituição ,e das instituições desse pais?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: