Pular para o conteúdo

Mosquito Aedes aegypti infectado vive menos

13/10/2011

Fonte: Agência Fiocruz de Noticias – 10/10/2011

Qual é o impacto da infecção pelo vírus da dengue em alguns aspectos da biologia e do comportamento do Aedes aegypti? A pergunta foi o ponto de partida para um estudo pioneiro desenvolvido pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) que comparou aspectos da longevidade e da fecundidade de fêmeas infectadas e não infectadas com o vírus da dengue. Os resultados mostraram que as fêmeas infectadas viveram em média 15 dias a menos do que as não infectadas e apresentaram queda no número de ovos colocados a partir da terceira postura. A investigação, publicada como artigo na edição de agosto da revista científica Transactions of the Royal Society of Tropical Medicine and Hygiene, reforça uma abordagem recente dos estudos na área, que passa a considerar os efeitos acarretados pelo vírus no organismo do A. aegypti e sua interferência no ciclo de transmissão.

O estudo optou por observar fêmeas do A. aegypti porque apenas elas realizam alimentação com sangue, atuando portanto na transmissão da dengue
O estudo optou por observar fêmeas do A. aegypti porque apenas elas realizam alimentação com sangue, atuando portanto na transmissão da dengue

“Observamos 500 mosquitos fêmeas e percebemos que, quando infectadas, a média de vida foi de 23 dias, contra 42 das não infectadas. Também constatamos que a quantidade de ovos colocados a partir da terceira postura diminuiu” explica o pesquisador Ricardo Lourenço, chefe do Laboratório de Transmissores de Hematozoários do IOC e co-autor do estudo. “A hipótese para explicar esta observação é a de que o gasto desprendido pelo mosquito para se defender do vírus em seu corpo comprometa sua produção de ovos e outros aspectos de sua biologia e comportamento”, complementa. O estudo optou por observar fêmeas do A. aegypti porque apenas elas realizam alimentação com sangue, atuando portanto na transmissão da dengue.

Segundo Lourenço, o estudo reforça uma nova perspectiva das pesquisas na área. “Se verificarmos a trajetória dos estudos sobre os vetores da dengue, veremos que dez anos atrás os pesquisadores achavam que o vírus não alterava a vida do mosquito, uma vez que a quase totalidade dos mosquitos infectados em laboratório durava os 14 dias de incubação tradicionalmente aguardados para que o vírus se dissemine até a cabeça e glândulas salivares do inseto. Em nosso estudo, conseguimos observar os mosquitos ao longo de várias semanas. Com isso, vimos que a infecção no mosquito pode interferir na sua vida e, por conseguinte, no ciclo de transmissão da dengue”, dispara o especialista.

O biólogo Rafael Freitas, do mesmo laboratório, explica que duas populações diferentes de A. aegypti foram analisadas durante a investigação. “Para que fosse possível aproximar nossos resultados do que acontece na natureza com os mosquitos infectados, acompanhamos uma população criada em laboratório, sensível e susceptível ao vírus, e outra de campo, coletada no bairro do Caju, no Rio de Janeiro. Constatamos diferenças entre as populações, mas, na média geral, as fêmeas infectadas tiveram uma longevidade menor”, afirmou o pesquisador. “Em relação à postura de ovos, observamos que na primeira postura houve 95% de sucesso e já na quinta, 75%”, concluiu.

“A maior disponibilidade de dados publicados na literatura científica sobre infecções experimentais com o dengue tipo 2 fez com que fosse esse o sorotipo do vírus escolhido para a pesquisa”, justifica Rafael. O próximo passo da pesquisa é a investigação do efeito da infecção pelo vírus sobre os hábitos alimentares do vetor. “Queremos saber se a infecção causa alguma alteração relacionada à picada do mosquito”, finaliza o pesquisador.

About these ads
Ainda sem comentários

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 43 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: